De onde vêm as novas ideias

Muitas vezes somos surpreendidos por novas ideias de negócios. Ou mesmo por antigos negócios transformados em outra coisa. O telefone móvel, por exemplo. Ainda que eu não tivesse nem telefone, me encantava na infância a ideia de poder andar pela casa e telefonar ao mesmo tempo. Quando vi num filme do 007 um telefone móvel num carro, então, não acreditei. Aquilo não existia e parecia inatingível. Olhando hoje para o

Uber: Uma empresa disruptiva, mas nem tanto.

Hoje, a Uber é uma das maiores empresas anunciantes no mercado nacional. Está nas redes sociais (onde sempre esteve), mas agora também ocupa todos os espaços da “velha mídia”. Anúncios de jornais e revistas, outdoors, comerciais nas TVs aberta e fechada, anúncios de rádio, mídia out of home, e anúncios até nas camisetas do Grêmio e do Internacional, principais clubes de Porto Alegre. Também já visualizei anúncio da Uber no

Mude ou mude.

Somente a mudança é permanente. A indústria da comunicação no Brasil está vivendo uma crise sem precendentes. Nem o surgimento da televisão nos anos 50 promoveu tantas mudanças. O que estamos assistindo não deixará pedra sobre pedra. E o mais preocupante é que não sabemos se o novo que está surgindo é melhor do que o tínhamos até pouco tempo atrás. Fala-se muito nas mudanças na comunicação, no papel das